E você?

Essa semana, um professor querido da UFRJ, foi meu orientador da pós-graduação, partiu. Foi de repente, Foi fulminante.

Mas o que me levou a escrever hoje foi que no último mês, na minha convivência, perdi mais uma pessoa dessa maneira: fulminante.

Não me resta pensar no que anda acontecendo no meu dia-a-dia. No nosso dia-a-dia.

Ontem, um motorista de táxi, em alta velocidade, tentou ultrapassar a gente, mas como ele não conseguiu, porque tinha um carro parado com metade das rodas na rua e a outra metade na calçada, ele teve que frear bruscamente. Ele achou que o erro foi nosso e assim que conseguiu nos ultrapassar, fechou nosso carro, parou e partiu pra cima da gente. Gritando, ofendendo. E a gente só ficou parado olhando. Por um erro meu, quando ele resolveu entrar no carro, saquei o celular pra fotografar a placa. Ele viu pelo retrovisor e parou de novo, veio na minha direção gritando. Te pergunto: e se ele estivesse armado? 

Eu sou uma pessoa extremamente estressada e ansiosa. E ainda assim, sou uma pessoa que não guarda pensamentos, opiniões. Sou uma pessoa que extravasa. Extravaso angústias, sentimentos bons, ruins e etc. Sempre pensei que guardar o que sentimentos, alimenta nossa alma de maneiras diferentes. Então eu prefiro extravasar.

Como estamos levando a nossa vida?

Nossa vida anda cheia de metas a cumprir, preocupações, contas a pagar. E dessas coisas, o que vamos levar quando partirmos? N-A-D-A.

A gente precisa achar um equilíbrio. Não tá nada legal, gente. Nada legal.

Não podemos banalizar a nossa vida. E é isso o que estamos fazendo: nos estressando à toa, piorando o que já está ruim, brigando por nada.

Sabe, já perdi muita gente querida nessa vida, de maneira tão... tão sem sentido.

Não quero estar infeliz numa dieta atrás de uma lindo corpo porque as pessoas me querem magras. Eu tô bem comigo mesma estando gordinha? Então, dane-se!

Não quero viver contando dinheiro no final do mês, pra ter um carro zero, porque meu carro tá velho e as pessoas acham que eu preciso trocar de carro.

Eu só quero estar em equilíbrio comigo e meu espírito... e minhas atitudes.

Nossa triste realidade: estamos vivendo em uma sociedade doente!

E o que você anda fazendo pra mudar isso?

Acalentam meu coração!